sexta-feira, 28 de maio de 2010

Lisa Jaworski leva “Vazio das partes” a Florianópolis, neste sábado (29)

O espetáculo de dança contemporânea “Vazio das partes”, que recentemente cumpriu roteiro por diversas cidades do Estado, participa neste sábado (29) da programação do Múltipla Dança – Seminário Internacional de Dança Contemporânea, aberto na terça-feira, dia 25, em Florianópolis.



Em sua quinta edição, o evento é realizado pela Aliança Francesa de Florianópolis e faz parte do calendário cultural da cidade. Reúne atividades em diversos espaços culturais da capital, com o objetivo de promover a articulação de setores ligados à criação e difusão da dança contemporânea, a sensibilização do público para a dança/arte contemporânea, a profissionalização dos artistas locais e o aprofundamento do diálogo entre artistas atuantes em redes que favoreçam a circulação de ideias e obras de dança.



“Vazio das partes” será apresentado em espaço aberto para a comunidade e participantes do Múltipla Dança, demonstrando como o espetáculo foi concebido e montado.



A edição 2010 do evento homenageia Anderson Gonçalves, bailarino do grupo catarinense Cena 11, falecido em janeiro deste ano. Espetáculos, oficinas, mostra de vídeodança, diálogos, performances e lançamento de livros estão integrando as atividades do Múltipla Dança.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Senta pra Rir com Diogo Portugal


Este projeto é um sucesso em Curitiba e em São Paulo há 7 anos e agora chega a Floripa. Aqui, o espetáculo de humor vai rolar uma vez por mês, sempre aos domingos, e com novas histórias e piadas.

O humorista Diogo Portugal fica sempre no comando e recebe convidados especiais a cada apresentação. Está curioso para saber quem são os humoristas convidados? Então fique ligado, Diogo só revela os nomes pouco tempo antes da apresentação.
Local: Centro de Eventos da Ufsc - campus Trindade.

Horário: 20h.
Ingresso: R$ 40 inteira e R$ 20 meia-entrada.
Ponto de venda: na bilheteria do local, Óticas Quevedo e no site da C5 Produções.
Informações: (48) 3335-0093, 9992-7080 ou pelo site www.c5producoes.com.br.

Noite de pegação no Jivago

Dois DJs fervidos no circuito GLS catarinense se encontram na cabine do Jivago Lounge nesta sexta-feira, na concorrida Upper Club: DJ Manu x DJ Ale Vidal. A festa promove um back to back com os dois nas pick ups simultaneamente, prometendo levar o público à loucura na pista.

O melhor do tribal house com mixagens precisas e um set list com o que é tendência nas melhores casas da cena. Tem ainda o sempre imperdível set do residente das sextas, DJ Patrício. A hostess é Gianna Epping. Ainda, dose dobrada de destilados para quem chegar antes da meia-noite e meia.
Local: Jivago Lounge - Rua Deputado Leoberto Leal, 4 - Centro.

Horário: a partir das 23h.
Ingresso: R$ 20. Sujeito a alteração.
Ponto de Venda: no local.
Informações: (48) 3028-0788 ou no www.jivagolounge.com.

Concurso Cultural de Arte Pública

Com o objetivo de contribuir com o acervo de arte pública de Florianópolis e incentivar novos artistas, Jurerê Internacional, famosa praia ao norte da capital catarinense, está promovendo o Concurso Cultural de Arte Pública para o empreendimento Arte Dell' Acqua III.


A futura obra fará parte do roteiro artístico de Jurerê Internacional, que hoje contempla obras de artistas renomados do Brasil e exterior e de artistas locais. O concurso também prevê a interação do artista com a comunidade local e as escolas do entorno.

As inscrições estão abertas até dia 23/05, do qual pode participar artistas brasileiros e estrangeiros, individualmente ou em grupo. A iniciativa é do Instituto Habitasul, em parceria com o Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis(IPUF).

O concurso é regulamentado pela Lei Municipal Complementar nº 001/97, e a comissão julgadora, sugerida pelo IPUF, será formada por profissionais especialistas em Arte Pública do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Uruguai.

O regulamento completo e mais informações estão no site de Jurerê Internacional, www.jurere.com.br

Bom e inteligente cinema noir francês


O Cinema Falado do Museu Victor Meirelles exibe nesta quinta-feira, dia 20 de maio, O Samurai, um clássico do cinema noir francês produzido em 1967, dirigido por Jean-Pierre Melville, e tendo no elenco nada menos que Alain Delon, no papel de um assassino profissional.

O Samurai só teve sua liberação nos Estados Unidos depois de severamente cortado e reeditado. E somente 30 anos depois de seu lançamento inicial é que Le Samourai, finalmente, foi liberado nos EUA em sua versão original sem cortes. A mediadora convidada da noite é Rosana Cacciatore. Graduada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica – PUC do Rio Grande do Sul, por mais de 10 anos Rosana lecionou na Universidade do Sul de Santa Catarina, nos cursos de cinema, publicidade e jornalismo. Atualmente é pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina. Além da experiência docente, atua profissionalmente na área de Comunicação como redatora, roteirista, fotógrafa e diretora de filmes.

É entre cenários provocantes, figurinos maravilhosos e direção de arte irretocável que se desenrola O Samurai. A fotografia é impecável; a música excelente e o roteiro, preciso e ágil, tem poucos diálogos, praticamente declamados por um elenco para lá de cool. O filme foi um sucesso e hoje é cult. Além disso, influenciou vários diretores.

Alain Delon estrela O Samurai como Jef Costello, um assassino de aluguel profissional de Paris, que pela natureza do seu trabalho, não tem amigos. Porém, no último trabalho, ele deixa testemunhas. Tenta, então, criar um álibi para se livrar da acusação, mas aos poucos vai encarando situações ainda mais complicadas.

O ator, então com 32 anos, alcançaria o auge do sucesso ao fazer aqui um de seus papéis mais marcantes, praticamente o que lhe definiu a carreira como símbolo sexual e um ator conhecido em escala planetária. Definiu também toda uma idéia do que seria a chamada elegância masculina. Foi com esse filme que surgiu um ideário de beleza masculina que duraria pelo menos até meados dos anos 80, quando os músculos de Arnold Schwarzenegger e Sylvester Stallone trocaram os finos ternos pretos, perfeitamente ajustados em corpos magros, pelos esteróides anabolizantes.

O diretor Jean-Pierre Melville é o padrinho ou pai espiritual da Nouvelle Vague. Seu filme é pura diversão, muito bem feito, terrivelmente estiloso e inteligente. O termo estiloso, aliás, se aplica não só pelo sucesso do filme, mas porque dele resultou até a criação de um perfume que, por conta do personagem chama-se, obviamente, Samourai, para homens.

A sessão de O Samurai começa às 18h30min, na Sala Multiuso do Museu Victor Meirelles. Cinema Falado do Museu Victor Meirelles O Samurai – 1967 FRA Direção de Jean-Pierre Melville Mediação: Rosana Cacciatore Dia 20/05/2010, quinta-feira, às 18h30min Sala Multiuso do Museu Victor Meirelles Rua Victor Meirelles, 59 – Centro – Florianópolis/SC Tel.: 48 3222-0692

terça-feira, 11 de maio de 2010

Abertura da Exposição Paint a future



O Museu Histórico de Santa Catarina convida pra abertura da exposição Paint a Future, dia 13 às 19 hs no palácio Cruz e Souza. A arte como instrumento para a realização de sonhos é a missão do projeto Paint a Future (Pintar um Futuro), idealizado pela artista plástica holandesa Hetty van der Linden, que desde 2003 rompe barreiras sociais e geográficas. A exposição coletiva reúne artistas de diversas nacionalidades num único propósito: para promover o bem-estar de crianças carentes ao redor do mundo, levando a arte na concretização dos sonhos dessas crianças.

As crianças desenham seus sonhos e os artistas convidados por Hetty, criam obras a partir destes desenhos. O artista e o comprador da obra tornam-se realizadores de sonhos, já que a renda de cada quadro vendido, é revertida integralmente, em benefício para a criança da qual a obra se originou.

O Museu Histórico de Santa Catarina recebe a exposição até o dia 06 de junho de 2010, terça a sexta, das 10h às 18h, sábado e domingo, das 10h às 16h. Conversas no Museu com a curadora Hetty Van Der Linden e artistas expositores da mostra.

Mais informações: Endereço Museu Histórico de Santa Catarina - Palácio Cruz e Sousa - Praça XV de Novembro, 227 - Centro - 88010-400 - Florianópolis - SC - Fone:(48)3028-8091 - mhscconvida@fcc.sc.gov.br

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Mês de Godard


O cineasta francês Jean Luc Godard completa 80 anos em 3 de dezembro e o cineclube da Fundação Cultural Badesc antecipa o aniversário com um ciclo de seus filmes durante as quartas-feiras do mês de maio. São quatro títulos que compõem a primeira fase da filmografia do diretor, incluindo o clássico Acossado, de 1959.

Os longas estão inseridos no movimento Nouvelle Vague e trazem uma postura auto-crítica sobre o cinema, desafiando as convenções cinematográfcas da época.


A curadoria do projeto é de Fernanda do Canto, 23 anos. Fernanda é designer gráfico formada pela Universidade Federal de Santa Catarina. Durante o ano de 2008, fez um intercâmbio para o curso de Diseño de Imagen y Sonido, na Universidad de Buenos Aires, onde estudou teoria e história do cinema. No ano seguinte, como Trabalho de Conclusão de Curso, realizou uma análise visual sobre a cinematografia de Godard entre 1959 e 1965.


Nesses filmes, podem-se traçar semelhanças como a preferência pelas filmagens nas ruas, com iluminação natural e locações públicas. Seus personagens têm um caráter psicológico e ambíguo, cujas histórias pessoais ou motivações muitas vezes não são compartilhadas com o espectador.


Essas experimentações tanto no método narrativo quanto na criação dos personagens são muito mais que um novo estilo: configuram o marco de uma nova época para a história do cinema. Além disso, há diversas peculiaridades muito próprias de Godard que persistem filme após filme, como a relação entre personagens e a vida pessoal dos atores e do diretor, falas que se repetem e conceitos retomados.

MAIO
Sessões às 19 horas


Dia 12

Vivre sa vie (Viver a vida) 1962


Em doze capítulos, o filme conta o drama de Nana, uma jovem que almeja iniciar a carreira de atriz, mas passa por dificuldades financeiras. Como não consegue pagar o aluguel, Nana é expulsa de casa e não encontrando outra solução, decide se prostituir. Dia 19 Bande à part (Banda à parte) 1964 Frantz e Arthur, dois amigos habituados a dar golpes, conhecem a tímida Odile num curso de inglês. A moça, apaixonada por Arthur, conta aos dois sobre uma grande quantia de dinheiro que sua tia Victoria guarda em casa. Frantz e Arthur começam imediatamente a planejar o roubo e convencem Odile a ajudá-los.

Dia 26
Pierrot le fou (O demônio das onze horas) 1965

Ferdinand Griffon é um professor de língua espanhola casado com uma italiana. Em uma noite, o casal vai a uma festa e deixa os filhos aos cuidados de Marianne, a quem Ferdinand parecia conhecer anteriormente. Na volta, Ferdinand e Marianne decidem fugir e se envolvem com tráfico, conspirações políticas e muita literatura.

O caso da FCC


A reunião no gabinete da presidência da FCC(Fundação Catarinense de Cultura) realizada na tarde de terça-feira(04/05) entre a equipe de trabalho da fundação e o Secretário de Cultura, Turismo e Esporte Waldir Walendowsky e o diretor geral da secretaria Gilberto Saavedra definiu a transição do cargo de presidente da fundação, já que Anita Pires pediu exoneração do cargo na sexta-feira(30/04).


Pires fica no cargo até o próximo dia 13, quando entrega em reunião em Brasília também o cargo de presidente do fórum dos secretários de cultura, entidade que congrega secretários de diversos estados e capitais que militam pela regularização da cultura no Brasil, com destaque para o Sistema Nacional de Cultura.


No encontro, ela recebeu o carinho dos funcionários, bem como de Waldir e Saavedra, amigos de longa data. “Dois anos na FCC foi um aprendizado, uma experiência profissional maravilhosa, do qual agradeço a dedicação dos servidores da casa”, declarou Anita.


Até esta data, ela continua trabalhando no gabinete, na fundação, com toda equipe da FCC, cujo objetivo é garantir que todos os projetos e tramites da FCC estejam funcionando perfeitamente para que o novo presidente tenha condições para executar o bom trabalho que a cultura catarinense precisa e merece.

“O setor cultural responde por 7% do PIB nacional, segundo dados do Ministério da Cultura, à frente, inclusive, de setores fortes da economia, como a indústria automobilística. E também responde por 17% entre os produtos turísticos do estado de Santa Catarina”, diz Anita.

Conforme a imprensa noticiou, Pires decidiu deixar o cargo logo após ler na coluna de Cacau Menezes, na edição de sexta-feira do jornal Diário Catarinense, que o Governador o tinha convidado para assumir seu lugar.

2º Fórum Estadual de Museus


A realização do 2º Fórum Estadual de Museus, marcado para acontecer entre os dias 14 e 16 de junho em Joinville, tem a temática Patrimônio Cultural, Museus e Direitos Humanos.


O Fórum pretende viabilizar o desenvolvimento e a percepção do ser humano através de seu auto-reconhecimento nos patrimônios materiais e imateriais que dialogam através dos bens culturais e documentos, quer estejam nos museus, casas de memória, nos relatos orais ou nos inúmeros fazeres de uma sociedade tão rica e diversificada culturalmente, como é a de Santa Catarina.


Também é finalidade do evento promover a atualização de informações da política pública federal, com a criação do Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM, do Estatuto de Museus e da Política Estadual de Museus (PEM), estabelecida no 1º Fórum Estadual de Museus, em 2005, assim como promover grupos de discussão (GD´s) sobre as diretrizes propostas pela PEM: Capacitação e Formação; Gestão; Financiamento e Fomento; Democratização do Acesso aos Bens Culturais; Acervo; e Pesquisa.


Além disso, o SEM/SC tem o compromisso de promover na ocasião Assembléia Geral de seu Comitê Gestor, composto por representantes das instituições museológicas de Santa Catarina quanto à organização, diretrizes e metas para o desenvolvimento de políticas públicas que fortaleçam o setor, em consonância com a atual Política Nacional de Cultura, que institui o Sistema Brasileiro de Museus.


Promover a comunicação entre museu, memória, patrimônio cultural e sociedade é uma forma concreta de colaborar na transformação social de cada ser humano, e é por essas, e outras razões, que a organização de um evento desse porte é fundamental para tomada de novas atitudes, e mesmo, uma reflexão sobre o que temos e o que queremos do futuro na museologia catarinense.


Segundo Marli Fávero, coorenadora do Sistema Nacional de Museus de Santa Catarina, O evento acontece em um momento de grande efervescência das políticas culturais. "Este momento importante vem da preocupação que os setores responsáveis pelas políticas públicas de todas as esferas têm adotado. Desde a organização de palestras, seminários e fóruns onde a sociedade civil está discutindo e contribuindo na formação das diretrizes e bases que nortearão a cultura dentro em breve", salienta.


As instituições museológicas de Santa Catarina têm acompanhado e participado de todas as etapas que compõe esses debates, sendo o 2º Fórum Estadual de Museus um marco concreto para as articulações, diálogos e reflexões entre os profissionais atuantes em museus, centros culturais e instituições afins no Estado.


O quê: 2º Fórum Estadual de Museus de Santa Catarina

Quando: 14, 15 e 16 de junho de 2010

Onde: Centreventos Cau Hansen – Joinville/SC

Realização: Fundação Catarinense de Cultura, Sistema Estadual de Museus (FCC/SEM-SC)

Parcerias: Fundação Cultural de Joinville (FCJ), SDR Joinville, Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM).

Bicicletas da Ilha

Michelle Franzoni, aluna de Artes Visuais do Centro de Artes da UDESC, expõe na Galeria de Arte Ernesto Meyer Filho Bicicletas da Ilha, trabalho desenvolvido em 2009 na disciplina de Processos Fotográficos sob a orientação do Professor Esdras Pio da Luz. A exposição vai de 10 a 14 de maio, com visitação das 9h às 19h.


O objetivo do trabalho é mostrar através da fotografia o uso da bicicleta no meio urbano, sua importância não só como lazer, mas também como meio de transporte e sobrevivência?, explica a artista. Com isso, Michelle espera alertar para o problema urbano e ambiental causado pelo excesso de carros na cidade, mostrando uma alternativa de transporte para a população.


O ponto de partida de Michelle é a dependência da sociedade atual pelos automóveis, o que gera um caos urbano nas grandes e médias cidades. Na Europa, o processo inverso já se evidencia, com um retorno ao uso da bicicleta como alternativa de transporte. Na Holanda 14 milhões de habitantes se deslocam a bordo de 11 milhões de bicicletas e totalizam um percurso de 643 quilômetros ao longo de um ano. Nesse contexto a artista procurou retratar as diversas utilidades da bicicleta no espaço urbano da ilha, para além do lazer e esporte.


Michelle Franzoni é Fotógrafa e, além de cursar o Bacharelado em Artes Visuais na UDESC, é doutoranda em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela UFSC. Com formação em fotografia e participação em eventos na área, foi contemplada com a 2ª colocação no II Concurso de Fotografias PROEX/UDESC com a foto ?Ser ou não ser, eis a questão?, em 2009.

SERVIÇO

O quê: Exposição Bicicletas da IlhaQuando: 10 a 14 de maio, das 9h às 19hOnde: Galeria de Arte Ernesto Meyer Filho, no prédio da Assembleia Legislativa de SC

CIC abre só no fim do ano



A data para abertura das atividades do Teatro Ademir Rosa no CIC - Centro Integrado de Cultura, foi modificada novamente, desta vez para o fim do ano. O mudança ocorreu por problemas com as empresas candidatas a executar a segunda parte da obra, que inclui o Teatro Ademir Rosa e o cinema. O processo de escolha dessa empresa é divido em duas fases, habilitação e propostas de preços, e já na primeira as 16 empresas foram barradas.


“Colocamos uma empresa para verificar a documentação da outra, e todas apresentaram falta de documentos necessários”, afirma o Diretor de Licitação do DEINFRA, Roberto Alexandre Zattar. Agora o processo de escolha só terá continuação após uma banca verificar os documentos apresentados, com um prazo de cinco dias para as candidatas se ajustarem. “Se tudo correr de acordo, a continuação do processo de escolha será na terceira semana de maio”, afirma Zattar.

Como o edital prevê cinco meses de prazo para execução da obra, a partir da escolha da empresa, a reforma do teatro só terminará no final do ano.


Iniciada em Fevereiro de 2009, a operação de revitalização do CIC, orçada em R$ 7,5 milhões, tinha previsão de ser finalizada no final do ano passado. Por conta das chuvas e registradas entre maio e Setembro do ano passado o cronograma atrasou, empurrando a previsão para a Março de 2010, e agora novamente para o fim do ano.

Museu e cinema

A primeira etapa da reforma, que inclui o Museu de Arte de Santa Catarina (Masc), oficinas de arte, os camarins do Teatro Ademir Rosa e a reforma do hall de entrada, está praticamente concluída. O projeto, além de corrigir problemas estruturais, tem como meta voltar ao projeto original de 1982, com algumas mudanças. Outra etapa também previu a recuperação das redes elétrica e hidráulica e foram trocadas a refrigeração e esquadrias.

“Para que o Museu e o cinema voltem a funcionar dependemos da empresa que será licitada”, afirma a Diretora de Património Cultural da Fundação Catarinense de Cultura, Simone Harger. O Teatro Ademir Rosa, considerado um dos mais importantes espaços culturais da Capital, só deverá reabrir em meados de Dezembro. O cinema poderá voltar a funcionar em Junho. O teatro ainda receberá uma uma varanda aberta próximo a sua entrada.

Mallu sem pirulito no olho


Mallu Magalhães cresceu, ou no mínimo ensaia neste caminho. Mas, num momento em que a internet, de onde Mallu saltou, encurta o tempo das novidades e cria cada vez mais novos talentos, o que siguinifica madurecer? Em Mallu isso se traduz num maior acabamento das músicas, um aprofundamentos em temas ditos adultos e um enraizamento no country-folk de Bob Dylan.


A marca de Dylan está em “Nem fé nem santo” e “You ain’t gonna lose me”, em “The ballad of
Frankie Lee and Judas Priest” essa influência está consagrada. Se bem que outras interpretações de folks e blues que Mallu tem realizado em apresentações valem o mérito de ser incluso num disco futuro, pela personalidade injetada na interpretação. É o caso da canção “Música Urbana” de Renato Russo.

Outra marca de seu novo trabalho é a última faixa, “O herói, o marginal”, que flerta com Hélio Oiticica e com a figura do “poeta tropical” (“Dera eu pobre leão/ Fazer parte da nação”), mostra algo inexistente em seu trabalho até então.

Canções do primeiro CD, como “Tchubaruba”, “J1”, “Vanguart”, “Versinho de número 1” e “leãnzinho”, do Caetano Veloso, também podem ser aproveitadas no show dia 12 de maio no Teatro Pedro Ivo. Mais informações: 3206-5559.

Lançamento do Blog

Estamos entrando no ar com o blog do Rora 401.
Aproveite dicas de cultura todo dia aqui.